1ª Manga - P'lo Director de Prova

 dinis_carvalho.jpg Manga 1 - Sábado, dia 5 de Abril de 2008.   A previsão era de perder a esperança de voar. O diagrama Skew-T indicava que era impossível subir (a interpretação do Pedro de Amares era correcta), a actividade térmica parecia inexistente, apenas se poderia subir uns 100 a 200 metros.  As boas noticias eram as previsões de vento fraco de leste que rodaria para oeste no inicio da tarde.
Ao longo dos anos, eu fui construindo um modelo de interpretação dos diagramas Skew-T para Caldelas que tenta ajustar os aspectos negativos da proximidade do mar com os aspectos positivos do relevo do terreno (digo eu!!). Desta forma eu acho que em muitos casos a previsão da actividade térmica do local é pessimista. Por via das dúvidas a manga foi marcada com um briefing às 11:00.    No sábado, o dia estava lindo como se esperava, mas o vento que se previa fraco de leste, era de facto de leste mas a fugir pró forte.  A esperança que a velocidade do vento fosse reduzindo ao longo do dia,  que rodasse para oeste e que o skew-t estivesse errado, mantiveram-se. Foi eleito o comité de pilotos já na descolagem, resultando a seguinte composição: Eurico, Pedro de Amares e Lourenço. O comité lá reuniu junto ao penedo entre as descolagens e decidiu a manga admitindo que a componente sudeste se mantivesse. Os pilotos teriam de ir à capela de Sto Ovideo, passar por cima da casa do Chico da Torre, depois por cima da capela de S. Julião e finalmente teriam de chegar à meta que foi marcada na aterragem de Gomide. Esta manga tinha um total de 10,5 km e,  embora não sendo uma manga difícil,  se não se conseguisse subir, seria uma manga impossível.   A primeira térmica era difícil mas alguns pilotos lá foram conseguindo subir. O Carlos Pinheiro foi o primeiro a descolar e a ganhar altura com alguma persistência. Seguiram-se o Eurico, o Pedro de Amares, o Jorge Guedes, o Jonas e alguns mais. Alguns fizeram o seu caminho até à aterragem sem conseguirem apanhar térmica, acontecimento vulgarmente conhecido por "marreca" (Já me aconteceu muitas vezes).   A primeira baliza embora próxima ficava a sotavento do monte o que complicava a tarefa dos pilotos. Fazer a baliza e voltar ao monte teria de ser com bastante altura. Alguns pilotos cometeram o erro de fazer a tentativa com pouca altura e tiveram de aterrar. O Carlos Pinheiro foi bastante alto e nem precisou de voltar ao monte, como quase todos os outros, seguindo directamente para o Chico da Torre.   O Jorge Guedes fez uma manga excelente, Já perto do golo, sem a certeza de ter o registo bem feito no GPS resolveu certificar-se voltando a fazer a prova desde o inicio. Os quase 2000 metros que arrecadou de altitude permitiram-se fazer essa proeza.   Como resultado tivemos que o Carlos Pinheiro foi o primeiro a chegar ao golo e pouco tempo depois chegou o Eurico. Eu, como queria ver o andamento da prova, deixei-me ficar para trás e cheguei apenas em terceiro lugar. O Pedro de Amares chegou pouco depois bastante alto e não aterrou, seguindo viagem aparentemente em direcção a Pte da Barca.   Em seguida dá-se o caso do dia. Estava eu, o Carlos e o Eurico na aterragem e vemos que se aproxima um parapente que identificamos como sendo do Jonas. Ficamos muito contentes por ver um iniciado a chegar ao golo e seguimos o seu trajecto com atenção. Estava alto e bem posicionado para chegar ao golo. De repente começou a virar para a sua direita em direcção ao Gomide pequeno. Ficamos admirados a tentar decifrar a estranha atitude do piloto, será que se estava a recrear? ou será que queria apenas ver aquela zona por cima? A verdade é que enrolou algumas vezes por cima desse pequeno monte, foi perdendo altura e finalmente por lá aterrou. Depois chegou o Jorge Guedes em grande estilo e juntou-se a nós na aterragem. Foi bastante agradável ver a euforia das descrições da prestação do Guedes. Passamos um bom bocado na aterragem de Gomide.   Como a prova não tem recolhas decidimos pedir ao Abel, que de forma simpática se aprontou a oferecer o seu jipe para nos vir recolher. Fomos recolher o Pedro a Aboim da Nóbrega e depois o Jonas que com um sorriso de orelha a orelha nos esperava no caminho. Depois de muitos abraços e felicitações ao grande Jonas lá voltamos ao “bardoAr” para beber as rodadas pagas pelo Jorge Guedes, que pela primeira vez chegava a um golo, e pelo Jonas pela sua grande prestação.   E foi assim que aconteceu esta a primeira manga da Taça Aboua 2008. Queria agradecer a todos os que participaram nesta prova, em especial aos que participaram pela primeira vez em competições. Não fiquem desiludidos por não terem conseguido, para a próxima será melhor.

Abraço

Dinis